DICA DE LEITURA: “E CHEGAMOS ATÉ AQUI” DE PAULO PESTANA

Facebook0
Twitter200
Instagram0
WhatsApp
FbMessenger

Loading

A dica de hoje do jornalista Anderson Olivieri – responsável pela comunicação do Cartório de Sobradinho – é a crônica “E chegamos até aqui”, de autoria do cronista Paulo Pestana, numa homenagem a Brasília:

Não tem festa, mas ainda assim é preciso comemorar os 60 anos de Brasília. Não foi fácil chegar até aqui; a luta pela consolidação da capital no centro do país enfrentou todo tipo de ataque, com toda espécie de arma – até a vassoura do populista Jânio Quadros que, com a desculpa de varrer o que chamava de bandalheira, usava Brasília como símbolo.

A nova capital ainda não havia completado seu primeiro ano de vida quando teve que ser defendida pela manchete do Correio Braziliense do dia 22 de outubro de 1960: “Brasília resistirá ao retorno”, estava impresso. Era uma reação contra políticos que patrocinavam a tese da volta da capital ao Rio de Janeiro, com a esdrúxula proposta de transformar Brasília em sede da Organização das Nações Unidas.

A posse de Jânio Quadros mudou o humor da cidade. Antes, havia uma festa permanente, um ar contagiante que se refletia nas poucas casas noturnas frequentáveis da época – as boates Macumba, Pillango e Chez Willy – que repentinamente se viram às moscas.

“O pessoal do Juscelino bebe mesmo é nas boates, na frente de todos. O do Jânio, não. Bebe muito, mas nas reuniões domésticas, com medo de que se arranhe, perante a grande massa, a religião moralista”, escreveu o então deputado Neiva Moreira, conforme compilado no caudaloso livro A Bailarina Empoeirada, de Luiz Humberto del Isola e Noemia Boianovsky. Como se vê, a hipocrisia dos políticos não é coisa nova.

Ataques vinham de todas as partes e de todas as maneiras, inclusive com notícias falsas – sim, fake news sempre existiram. Chegou aos ouvidos do colunista Ari Cunha, deste Correio, que Ibrahim Sued, de O Globo, publicou nota dizendo que Brasília poderia ser inundada pelas águas do Paranoá.

Enquanto isso, deputados esgrimiam discursos e artigos contra e favor da permanência da capital, criando um clima de incerteza entre milhares de brasileiros que acreditaram no sonho de JK. As obras estavam paradas desde a posse do novo presidente; as poucas que continuavam não eram pagas.

Para piorar a situação, em fins de 1961, quando Jânio já havia renunciado, Brasília foi invadida. Por ratos. Com a destruição do cerrado, os roedores migraram para a incipiente cidade em busca de comida; não eram camundongos, mas animais enormes, “roedores tremendos”, nas palavras do deputado Padre Nobre, registradas em A Bailarina Empoeirada.

Numa primeira etapa, foram eliminadas 24 mil ratazanas, segundo as contas do médico Welto Crespo, numa cidade que tinha pouco mais de 200 mil habitantes. O jornal O Globo, em campanha aberta pela volta da capital ao Rio, publicou que a porcentagem de loucos em Brasília era a maior do Brasil e a causa seria a falta de umidade no ar.

O professor Lopes Rodrigues, diretor do Serviço Nacional de Doenças Mentais, pôs ordem no hospício com um caso emblemático: “conheço o caso de uma dama ilustre que amanhecia quebrando os pratos da casa, até convencer o esposo que estava ficando louca”. E disse às amigas: “Meu truque deu certinho”.

Contra tudo e todos Brasília está aí, há 60 anos. Parabéns aos resilientes.

Publicado no Correio Braziliense, em 19 de abril de 2020

Visite-nos pelo https://linktr.ee/cartoriodesobradinho

(Siga o Cartório de Sobradinho no Instagram)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine e fique por
dentro de nossas
últimas notícias!

Balcão Virtual Extrajudicial!

Certificado
E-notariado

Veja Mais

Dica de leitura: “A educação pela pedra”, de João Cabral de Melo Neto

Loading

A dica de hoje do jornalista Anderson Olivieri – responsável pela comunicação do Cartório de Sobradinho – é o poema “A educação pela pedra”, de João Cabral de Melo Neto: “Uma educação pela pedra: por lições; Para aprender da pedra, frequentá-la; Captar sua voz inenfática, impessoal (pela de dicção ela

Cartórios do Brasil atuarão na proteção patrimonial e pessoal de idosos

Loading

População em maior vulnerabilidade durante a pandemia de Covid-19 será alvo de ações de esclarecimento e orientações sobre a proteção de bens e valores Além de serem membros do chamado “grupo de risco” durante a pandemia de Covid-19, os idosos também acabam ficando mais suscetíveis a situações de violência, em

Governo permite autorização online para viagens de menores desacompanhados

Loading

Requerentes podem emitir documento presencialmente em cartório ou por plataforma via videoconferência para voos domésticos A partir desta segunda-feira (2), a autorização para viagem de crianças e adolescentes menores de 16 anos, em voos domésticos, poderá ser emitida em formato digital, informou o Governo Federal em nota. A autorização é

Olá visitante!

Institucional

Telefone: (61) 3298-3300

Endereço: Quadra Central Bl. 07 Loja 05

Receba nosso boletim semanal exclusivo com notícias de direito notarial e registral

Fique por dentro de todas as nossas novidades e serviços

 

Conheça também nossa página de Serviços e nosso Blog 

Também não gostamos de Spam, manteremos seus dados protegidos, Veja nossa política de privacidade