DICA DE LEITURA: “GOTAS E FARELOS DAS PANDEMIAS”, DE ANDERSON OLIVIERI

Facebook0
Twitter200
Instagram0
WhatsApp
FbMessenger

Loading

A dica de hoje do jornalista Anderson Olivieri – responsável pela comunicação do Cartório de Sobradinho – é a crônica de própria autoria dele: “Gotas e farelos das pandemias”:

“Livrai-nos da peste e da fome, Senhor!”, rezou o padre Américo Novaes na esvaziada missa da congregação do colégio Santo Inácio, no Rio de Janeiro. Naquele momento, nove cadáveres em decomposição, estendidos nas mesas do necrotério da cidade, aguardavam providências ainda ignoradas, explicou o cemitério, por falta de pessoal. Em outro ponto da capital, a polícia recolhia nas ruas os enfermos amontoados pelas calçadas e levava-os à Santa Casa, já abarrotada de doentes.

Para conter o desespero, a fé. As irmandades beneditinas e maristas saíram em procissão por várias ruas da cidade, entoando cânticos e rezas, pelo fim do flagelo da epidemia. O povo se trancou em casa, só pisando na rua por remédios e alimentos. Isso quem tinha condições, porque um elixir passou a custar o preço de um bom vinho; e três ovos, o que outrora custara um quilo de carne.

Quem relata esse cenário do Rio de Janeiro de 1919 são os jornais do período. Provocada pela Gripe Espanhola, a hecatombe abriu uma crise sanitária, social, econômica e política no país e expôs o horror da fome. Dezenas de ataques a armazéns, bodegas e padarias, feitos por gente que tossia enquanto roubava, foram registrados. Não à toa o padre Américo suplicou a Deus providências em favor dos famintos.

Pedro Nava, o médico e escritor que ao tempo da Espanhola somava 15 anos de idade, foi quem melhor descreveu o casamento da peste com a fome. Ele contou ter visto uma criança de colo, faminta, tentando mamar no seio da mãe, que jazia no chão, morta pela gripe. Tempos pandêmicos são inevitavelmente de fome. A história não deixa dúvidas sobre isso. 

Nem o presente permite contestações. Um pulo da capital da República em 1919 para os dias que correm em Brasília, centro do poder do país desde 1960, confirma a união funesta da pestilência com a miséria. Da Covid-19 com a fome. Do ar, nos pulmões, e da comida, nos pratos, tão rarefeitos quanto.

Nesta Covid-19, a criança que sugava mamas secas e mortas, descrita por Pedro Nava, multiplicou-se aos milhões. Isso é resultado da trágica combinação entre a pandemia e o alto desemprego, a grave crise econômica, a insuficiente assistência social e o aumento recorde nos preços dos alimentos. Para piorar o quadro social, além de famintas, as crianças de famílias nos patamares da pobreza e da extrema pobreza sentem os efeitos da solidão a que são expostas e dos abusos morais e sexuais a que adultos submetem-nas.

Isso é o que tem afetado as crianças do Brasil, de acordo com relatórios atuais da UNICEF. Um retrato macrossocial que, no dia a dia, para ser notado, exige de nós um modo de ver que deixe de lado o olhar banalizado e insensível. Neste Brasil pandêmico de hoje, encontra-se, em todo quarteirão das cidades, uma criança – sozinha ou acompanhada – em sofrimento. É o novo normal dos menores marginalizados: fome de comida, afeto, amparo e atenção.

Foi nessas condições, faminta de tudo, que encontrei a Isabel, 8 anos de idade, sob uma marquise do Setor Comercial Sul, em Brasília. Um dos seus pés estava ferido, sem nenhuma sutura ou curativo que o protegesse. Ela expunha o machucado às imundices da rua com a naturalidade de quem assimilou, embora criança, que corpo e alma são abrigos de desgraças – e estas, portanto, devem ser suportadas.

Desconfiada, aproximou-se de mim. A cabeça baixa escondia os olhos sombrios e a máscara que um dia fora clara, mas agora ostentava as sujeiras da indigência. Ela exalava o cheiro da rua e emprestava à aparência a mesma penúria da paisagem ao redor. Emitiu um som inaudível. Pedi que elevasse a voz e o rosto, o que fez sem me encarar. Queria dinheiro. Para quê, questionei. “É fome, moço”.

Curvo a cabeça em fuga à encarada. Sinto algo estranho, um pouco de vergonha, um tanto de culpa. Qualquer criança com fome é a confirmação de que os adultos – todos fracassaram em responsabilidade e humanidade. A poucos metros, uma lanchonete com nome de primeira classe, Embaixador, exibe as portas abertas, embora fitas isolem a entrada. A pompa diplomática, num setor de carestia, é reforçada pelo cartaz que avisa: “Vendas só por take-out. Aceitamos PIX”. O homem do caixa se incomoda com a presença de Isabel. Faz um som com a boca como quem enxota cães. Com o indicador, gesticulo que estamos juntos. Sirvo-a de suco e sanduíche de pão, antes sugerindo que nos encostemos na porta metálica da loja vizinha, toda coberta por uma imensa faixa de “aluga-se”.

Isabel é a face esfomeada, desabrigada, excluída e desempregada da pandemia. “Lockdown”, “take-out” e “home office” não compuseram o rol de opções de sua família. Havia quarenta dias, ela se estabelecera no trecho mais movimentado do Setor Comercial Sul, enquanto a mãe e o padrasto mendigavam mais acima, na região dos hotéis. Desempregados e sem condições de pagar o aluguel, a família se mudou para a rua, abrigando-se sob a escada de acesso à calçada mais movimentada do centro de Brasília. Mais gente, mais esmola, pensaram, sem se darem conta de que, por causa do isolamento, veriam, circulando, mais ratazanas e baratas do que pessoas.

Pergunto-lhe se tem irmãos, e ela detalha que são dois, ambos agora amparados por uma ex-vizinha. Sobre o padrasto, Isabel se nega a falar. Da mãe parece guardar um misto de indignação e pena. Bruscamente, ainda com um resto de lanche no saco de pão, se despede de mim com um aceno. Eu a sigo sem me deixar ser notado. Isabel escolhe um espaço ermo da calçada, senta, termina de comer e chora.

Até as lágrimas cessarem, vão-se alguns minutos. Ela então pega o saco vazio, inclina a cabeça para cima, delicadamente liga as duas bocas – a sua própria e a da embalagem e dá umas batidinhas no fundo do gordurento papel.

Vejo o esforço de Isabel por migalhas, lembro-me do menino de Pedro Nava e me pergunto. Do saco, alguns farelinhos caíram, será que do peito morto alguma gota de leite pingou?

Visite-nos pelo https://linktr.ee/cartoriodesobradinho

(Siga o Cartório de Sobradinho no Instagram)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine e fique por
dentro de nossas
últimas notícias!

Balcão Virtual Extrajudicial!

Certificado
E-notariado

Veja Mais

DIVA LUCY DE FARIA PEREIRA TOMA POSSE COMO DESEMBARGADORA DO TJDFT

Loading

O Presidente do TJDFT, Desembargador Romeu Gonzaga Neiva, deu posse, nesta sexta-feira, 12/3, à Juíza de Direito Substituta de 2º Grau Diva Lucy de Faria Pereira no cargo de Desembargadora do Tribunal. A solenidade foi realizada pela plataforma Teams e transmitida, ao vivo, pelo canal oficial da instituição no YouTube.

Dica de leitura do Cartório de Sobradinho

Loading

Dica de leitura do Cartório de Sobradinho para o mês de maio Se liga nesta dica cultural do Anderson Olivieri – jornalista responsável pela comunicação do Cartório de Sobradinho: “Pessoal, maio é o mês da família. E é exatamente por esse motivo que resolvi recomendar um livro que tem como

DICA DE LEITURA: “AI DE TI, COPACABANA”, DE RUBEM BRAGA

Loading

A dica de hoje do jornalista Anderson Olivieri – responsável pela comunicação do Cartório de Sobradinho – é a crônica “Ai de ti, Copacabana”, do cronista capixaba Rubem Braga: 1. AI DE TI, Copacabana, porque eu já fiz o sinal bem claro de que é chegada a véspera de teu

Olá visitante!

Institucional

Telefone: (61) 3298-3300

Endereço: Quadra Central Bl. 07 Loja 05

Receba nosso boletim semanal exclusivo com notícias de direito notarial e registral

Fique por dentro de todas as nossas novidades e serviços

 

Conheça também nossa página de Serviços e nosso Blog 

Também não gostamos de Spam, manteremos seus dados protegidos, Veja nossa política de privacidade