DICA DE LEITURA: “LYA, A LOUCA ADMIRÁVEL”, DE EDMÍLSON CAMINHA

Facebook0
Twitter200
Instagram0
WhatsApp
FbMessenger

Loading

A dica de hoje do jornalista Anderson Olivieri – responsável pela comunicação do Cartório de Sobradinho – é a crônica “Lya, a louca admirável”, de Edmílson Caminha:

Amiga de Guimarães Rosa, passou quatro horas ao telefone ouvindo-o contar as histórias de “Miguilim” e de “Manuelzão”, que acabara de escrever. À moça que lhe dissera estar namorando, perguntou curiosa: “Ele sabe usar a crase?” No Serviço Latino-Americano da BBC de Londres, em que trabalhou durante a Segunda Guerra, reagia sem medo às sirenas do alarme antiaéreo: enquanto os companheiros procuravam o abrigo subterrâneo, subia ao teto para ver a noite riscada de luz… Espontânea e surpreendente, assim era Lya Cavalcanti, a jornalista, tradutora e funcionária pública que a escritora Elvia Bezerra dá a conhecer no “Meu Diário de Lya”.

Entre a confissão íntima e a narração biográfica, o livro é um bem dosado composto dessas duas espécies de prosa: o texto referente a Lya, em caracteres redondos, cede espaço, aqui e ali, às memórias da autora, em itálico. Recordações da amiga, com quem conviveu por dez anos, e da rica experiência literária que interessa ao leitor, como a viagem à Holanda para conhecer Joanita Blank, que a presenteia com valiosos manuscritos de Manuel Bandeira. Ao poeta de Pasárgada somam-se, no “Meu Diário de Lya”, Carlos Drummond de Andrade, Ribeiro Couto, Paschoal Carlos Magno, Nise da Silveira, Antonio Callado e José J. Veiga. Nenhum, porém, com a originalidade e a força de Lya Cavalcanti, a provar que devem sobreviver ao esquecimento não só as estrelas da literatura, os gênios da arte, mas os homens e mulheres cuja grande obra é a intensa e emocionante vida que sabem viver.

Com um estilo saboroso, Elvia Bezerra narra a história comovente de Lya Cavalcanti. No Rio de Janeiro, após a temporada londrina, o amor que sempre tivera pelos cães — principalmente os vira-latas soltos nas ruas — transformou-se em verdadeira obsessão. Costumava dizer-se ocupante de uma vaga de canil, pois os trinta cachorros de que era dona quase a expulsam do apartamento onde morava, no Cosme Velho. Os bichos emporcalhavam tudo, da dedicatória com que Guimarães Rosa lhe ofereceu o “Corpo de Baile” aos documentos que traduzia para empresas como a Petrobrás. Por duas vezes, os condôminos foram à justiça para despejá-la do prédio, alegando a sujeira e o barulho da cachorrada. Com o tempo, a outrora simpática jornalista passou a exalar o cheiro dos seus hóspedes, daí a maneira por que, certa ocasião, Antonio Callado a apresentou em uma roda: “Aqui está Lya, que era muito interessante.”

Com essa “louca admirável” — segundo Carlos Drummond de Andrade, na bela crônica que sobre ela escreveu —, o autor de “Sentimento do Mundo” editou, em 1970, “A Voz dos que não Falam”, jornalzinho mimeografado de oito páginas, tamanho ofício, quando a defesa pública dos animais era coisa de excêntricos, longe da militância que depois viraria moda. Lya Cavalcanti morreu em 1998, com 91 anos, cercada pelos bichos que amou e pelos quais lutou bravamente. Ninguém a entendeu melhor do que Elvia Bezerra, no “Meu Diário de Lya”: “Foi o ser mais incompreensível que conheci até hoje. Não foi modelo de nada. Nem quis. Mas permanece como símbolo do que há de mais humano, no sentido da precariedade, da nobreza, do excesso, e por isso da escassez, tudo junto. Encerrou a velhice e a juventude: a velhice no desgaste do corpo cansado, que ela incorporou com bravura, e a juventude no entusiasmo, no frescor, na agilidade de suas idéias. Lya foi absurda.”

Visite-nos pelo https://linktr.ee/cartoriodesobradinho

(Siga o Cartório de Sobradinho no Instagram)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine e fique por
dentro de nossas
últimas notícias!

Balcão Virtual Extrajudicial!

Certificado
E-notariado

Veja Mais

CNJ: Corregedoria reforça integração de cartórios no combate à corrupção

Loading

A Corregedoria Nacional de Justiça alterou alguns dispositivos do Provimento n. 88, de 1º de outubro de 2019, que incluiu os cartórios brasileiros na rede de instituições que colaboram no combate à corrupção, à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, adequando-o a novos regramentos sobre a matéria. As alterações

DICA DE LEITURA: “DIÁRIO DA PANDEMIA”, DE PEDRO ROGÉRIO MOREIRA

Loading

A dica de hoje do jornalista Anderson Olivieri – responsável pela comunicação do Cartório de Sobradinho – é a crônica “Diário da pandemia”, de autoria do escritor mineiro Pedro Rogério Moreira: Nunca fui um sujeito organizado. Nunca tive “uma cabeça bem mobiliada”, como diz um jornalista baiano sobre as pessoas

Dica cultural – “Mauá – empresário do Império”, de Jorge Caldeira

Loading

A dica cultural desta semana, selecionada e indicada peloAnderson Olivieri – jornalista responsável pela comunicação do Cartório de Sobradinho – é uma biografia. Veja só: “Olá, amigos!O papo hoje é com quem curte biografias. Eu selecionei uma bastante especial, que a leitura me foi bastante prazerosa, para trazer para vocês,

Olá visitante!

Institucional

Telefone: (61) 3298-3300

Endereço: Quadra Central Bl. 07 Loja 05

Receba nosso boletim semanal exclusivo com notícias de direito notarial e registral

Fique por dentro de todas as nossas novidades e serviços

 

Conheça também nossa página de Serviços e nosso Blog 

Também não gostamos de Spam, manteremos seus dados protegidos, Veja nossa política de privacidade