STJ: uso simultâneo de imóvel para moradia e comércio não impede usucapião especial urbana

Facebook0
Twitter200
Instagram0
WhatsApp
FbMessenger

Loading

O exercício simultâneo de pequena atividade comercial em propriedade que também é utilizada como residência não impede o reconhecimento de usucapião especial urbana.

Esse entendimento foi aplicado pela Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao dar provimento ao recurso de dois irmãos, reconhecendo a usucapião de um imóvel utilizado por eles de forma mista.

Originado de ação de usucapião em que os irmãos alegaram possuir de boa-fé um imóvel em Palmas – por mais de cinco anos -, o recurso decorre de decisão na origem que julgou parcialmente procedente para reconhecer a usucapião urbana somente da área destinada à moradia, correspondente a 68,63m² – decisão mantida pelo Tribunal de Justiça do Tocantins.

De acordo com os irmãos recorrentes, a propriedade tem 159,95m², com 91,32m² destinados ao funcionamento de uma bicicletaria na qual trabalham com a família. Eles alegaram que, mesmo com a parte maior do imóvel sendo utilizada para fins comerciais, não haveria óbice para o reconhecimento da usucapião de toda a propriedade quando ela também se destina à residência da família.

Requisitos

A ministra Nancy Andrighi, relatora do recurso no STJ, destacou a presença da modalidade de usucapião especial urbana na Constituição Federal de 1988, regulada em seu artigo 183, parágrafos 1º ao 3º; no Código Civil, conforme conteúdo do artigo 1.240, parágrafos 1º e 2º; e no Estatuto da Cidade, de forma específica.

De acordo com a ministra, essa modalidade de usucapião tem como requisitos a posse ininterrupta e pacífica, exercida como dono; o decurso do prazo de cinco anos; a dimensão máxima da área (250m² para a modalidade individual e área superior a esta, na forma coletiva); a moradia e o fato de não ser proprietário de outro imóvel urbano ou rural.

Sustento da ​​​família

Nancy Andrighi ressaltou que a exclusividade de uso residencial não é requisito expressamente previsto em nenhum dos dispositivos legais e constitucionais que tratam da usucapião especial urbana. “O uso misto da área a ser adquirida por meio de usucapião especial urbana não impede seu reconhecimento judicial, se a porção utilizada comercialmente é destinada à obtenção do sustento do usucapiente e de sua família”, pontuou.

De acordo com a relatora, há a necessidade de que a área reivindicada seja utilizada para a moradia do requerente ou de sua família, mas não se exige que essa área não seja produtiva, especialmente quando é utilizada para o sustento do próprio recorrente, como na hipótese em julgamento.

“Nesse sentido, o artigo 1.240 do Código Civil não parece se direcionar para a necessidade de destinação exclusiva residencial do bem a ser usucapido. Assim, o exercício simultâneo de pequena atividade comercial pela família domiciliada no imóvel objeto do pleito não inviabiliza a prescrição aquisitiva buscada”, declarou.

Veja a íntegra do acórdão.

Fonte: Notícias do STJ

(Siga o Cartório de Sobradinho no Instagram)

Fonte: Notícias do STJ
(Siga o Cartório de Sobradinho no Instagram)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine e fique por
dentro de nossas
últimas notícias!

Balcão Virtual Extrajudicial!

Certificado
E-notariado

Veja Mais

TJSP Lista atualizada de serventias vagas

Loading

Publicado no dia 07/11/2023 no Diário de Justiça Eletrônico, relação atualizada de serventias (cartórios) vagas que devem ser disponibilizadas em virtude do 13 Concurso de Ingresso e Remoção da Atividade Notarial e Registral de São Paulo, para acessar a lista geral de vagas clique nesse link CLIQUE AQUI E para

Confira a 27ª edição da revista Cartórios com Você

Loading

Confira AQUI a 27ª edição da revista Cartórios com Você. A nova edição destaca o importante papel dos Cartórios de Registro Civil brasileiros no auxílio de recém-nascidos gerados por barrigas de aluguel ucranianas e muito mais! © Cartório de Sobradinho Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total

Acompanhe a entrevista do tabelião titular do Cartório de Sobradinho sobre sua trajetória profissional no AdHoc Podcast

Loading

Geraldo Felipe, Tabelião titular do Cartório de Sobradinho e ex procurador da Fazenda Nacional, concedeu entrevista ao AdHoc Podcast abordando sobre a sua carreira profissional e sobre os contornos da atividade notarial e registral brasileira. Acompanhe aqui a entrevista. Visite-nos pelo https://linktr.ee/cartoriodesobradinho (Siga o Cartório de Sobradinho no Instagram)

Olá visitante!

Institucional

Telefone: (61) 3298-3300

Endereço: Quadra Central Bl. 07 Loja 05

Receba nosso boletim semanal exclusivo com notícias de direito notarial e registral

Fique por dentro de todas as nossas novidades e serviços

 

Conheça também nossa página de Serviços e nosso Blog 

Também não gostamos de Spam, manteremos seus dados protegidos, Veja nossa política de privacidade